Bíblia do Caminho Estudos Espíritas

Índice Página inicial Próximo Capítulo

EPM — Estudo e Prática da Mediunidade

PROGRAMA I — MÓDULO DE ESTUDO Nº II
PRÁTICA

Irradiação Mental


Objetivos específicos: Conceituar irradiação mental. — Destacar a sua importância na reunião mediúnica. — Realizar exercícios de irradiação mental.





O exercício de irradiação mental, também denominado mentalização ou irradiação à distância, visa:


a) Estimular o estudante da mediunidade a fazer expansões do pensamento — fundamentadas nos princípios da ideoplastia, ensinados por Allan Kardec, por meio da ação da vontade.

b) Destacar a importância dessas expansões mentais, para benefício próprio, e para a manutenção da harmonia da reunião mediúnica.



ANEXO


Estudo e Prática da Mediunidade

Programa I — Módulo de Estudo n° 2

Prática: Irradiação Mental


SUGESTÕES DE EXERCÍCIOS DE IRRADIAÇÃO MENTAL


A finalidade do exercício de irradiação mental é desenvolver a expansão do pensamento e dos fluidos, produzindo ideoplastias (ou imagens mentais), base das irradiações mentais, sob o controle da vontade. É importante considerar o seguinte:

a) se necessário, associar uma prece às irradiações mentais;

b) pode-se colocar uma música suave, tocada em surdina, durante a irradiação. Não se trata, porém, de uma exigência, evitando-se, a propósito, a dependência de só se fazer irradiações mentais com música;

c) evitar qualquer tipo de práticas divorciadas da orientação espírita (posições corporais, respiração intencionalmente ritmada ou ofegante, uso de incenso etc.);

d) as irradiações não devem ser prolongadas: cinco minutos, no máximo;

e) não realizar, em hipótese alguma, desdobramento da personalidade, ou entrar em transe mediúnico, uma vez que a finalidade do exercício é desenvolver a expansão mental e fluídica, em apoio à harmonização íntima;

f) as irradiações, como a prece, podem ser feitas no lar, fora da Casa Espírita.


1. APRENDENDO A FAZER IRRADIAÇÕES MENTAIS

ROTEIRO:

  • Os participantes acompanham, mentalmente, as irradiações que o monitor propõe em benefício da paz mundial, por exemplo. Evitando qualquer tipo de dispersão visual, os participantes devem manter os olhos fechados, criando e - irradiando as próprias imagens mentais.

  • Ao final, o monitor ouve as impressões dos participantes, esclarecendo possíveis dúvidas.

2. APRENDENDO A FAZER IRRADIAÇÕES MENTAIS

ROTEIRO:

  • Os participantes indicam um tema para a irradiação mental: paz mundial, regiões com conflitos bélicos, um doente etc.

  • O monitor inicia a irradiação, fazendo-a por brevíssimo tempo. Em sequência, quatro ou cinco participantes (previamente selecionados), colaboram na realização do exercício.

  • Ao final, o monitor ouve as impressões dos participantes, esclarecendo possíveis dúvidas.

3. IRRADIAÇÕES APÓS OBSERVAÇÃO ATENTA DE UMA FIGURA

ROTEIRO:

  • Os participantes observam atentamente uma figura projetada pelo monitor, por exemplo, uma paisagem.

  • Em seguida, fecham os olhos, fazendo irradiações silenciosas, tendo como base a figura anteriormente observada.

  • Concluído o exercício, os participantes relatam os sentimentos e os pensamentos projetados, suscitados pela figura.

4. IDENTIFICANDO IDEOPLASTIAS EM COMPOSIÇÕES MUSICAIS

ROTEIRO:

  • O monitor conta aos participantes a seguinte história, que estaria relacionada à composição Sonata ao luar, de Beethoven (YouTube): “Beethoven teria composto esta sonata em homenagem a uma pessoa, cega desde a juventude. Conta-se que, durante uma viagem, o compositor e demais companheiros, foram surpreendidos por uma tempestade que causou estrago no eixo de uma das rodas da carruagem que os transportava. Sem condições de prosseguir, buscaram abrigo numa residência situada próxima ao local do acidente. A dona da casa, uma senhora cega, os acolheu com alimento e hospedagem. Beethoven, em especial, mostrou-se sensibilizado com a cegueira da gentil e distinta anfitriã, talvez porque ele mesmo possuísse severa deficiência auditiva. Sabendo que a grande tristeza daquela senhora não era a cegueira, propriamente dita, mas a incapacidade de não poder apreciar uma noite de luar, como fazia nos saudosos anos da infância, Beethoven, então, compôs a belíssima peça musical, em homenagem a ela. No entanto, há quem diga que Beethoven compôs essa poética melodia inspirando-se no luar sobre o lago Lucerna, na Suíça. W Na verdade, trata-se de uma composição impregnada de ideoplastias positivas, que têm o poder de nos transportar para um recanto de paz e beleza.

  • Após o relato da história, os participantes escutam a música Sonata ao luar, e, com os olhos fechados, procuram captar imagens e sentimentos que a bela composição musical transmite.

  • O monitor ouve os relatos dos participantes sobre as ideoplastias captadas da música.


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir