Bíblia do Caminho Súmulas Biográficas

Índice Página inicial Próximo Capítulo

Emmanuel




TEMAS CORRELATOS
EspiritismoFrancisco Cândido Xavier

EMMANUEL, ao tempo de Jesus, se chamou Públio Lentulus e ao que se sabe, foi a única autoridade que efetuou perfeita descrição dele, o Cristo, através de célebre carta,  n publicada em numerosas línguas, autêntica obra-prima no gênero; pessoalmente encontrou-o, solicitando-lhe auxílio na cura de uma filha enferma;  n desencarnou em Pompeia, no ano de 79, vítima das lavas do Vesúvio, e anos depois, reencarnou na Judeia, desenvolvendo-se-lhe grande parte da vida, em Éfeso, já não mais sob a toga de orgulhoso senador romano e sim na estamenha do modesto escravo Nestório, que, na idade madura, participava das reuniões secretas dos cristãos nas Catacumbas de Roma.  n [v. pintura mediúnica]

Estamos informados de que foi ele próprio, EMMANUEL, o mentor espiritual que todos respeitamos, que, em 18 de Outubro de 1517, em Sanfins, Entre-Douro-e-Minho, Portugal, renasceu com o nome de MANOEL DA NÓBREGA,  n filho do desembargador Baltazar da Nóbrega e sobrinho de um Chanceler do País, quando reinava D. Manoel I, o “Venturoso”, para cumprir a excelsa missão de preparar com outros missionários religiosos daquele tempo a fundação cristã do Brasil.

Inteligência privilegiada, ingressou na Universidade de Salamanca, Espanha, aos dezessete de idade, e com vinte e um, inscreve-se na Faculdade de Cânones da Universidade de Coimbra, frequentando as aulas de direito canônico e de filosofia; a 14 de Junho de 1541, em plena mocidade, recebe a láurea doutoral, sendo, então considerado “doutíssimo Padre Manoel da Nóbrega” pelo Doutor Martim Azpilcueta Navarro.

E tão importante se torna a tarefa do primeiro escritor brasileiro, no dizer de Antônio Soares Amora,  n em plagas brasileiras, que José Mariz de Moraes chega a afirmar: “D. João III, Tomé de Souza e Nóbrega são os primeiros fundadores do Brasil: um deu a lei, o outro o braço e o outro a fé, à Pátria menina e a menina de seus olhos”.  n Com efeito, segundo o Padre Antônio Fernandes, S. J., “o Padre Manoel da Nóbrega é o principal fundador de São Paulo. Foi ele quem estudou e escolheu o local, quem se entendeu com João Ramalho, Tibiriçá e Caiubi, quem inaugurou ali a catequese e a aldeia nova; quem nomeou o pessoal dirigente e docente do Colégio e lhe designou o dia da abertura”.  n

Como sabemos, a fundação da Metrópole Nobreguense se deu a 25 de Janeiro de 1554. A propósito, pergunta o ilustre historiador paulista Tito Lívio Ferreira “Por que teria Padre Manoel da Nóbrega escolhido esse dia para fundar a cidade de São Paulo dentro de uma Escola, fato ímpar na História do Mundo? Porque 25 de janeiro é o dia da Conversão do Apóstolo São Paulo. Nesse caso, é um ato deliberado de sua vontade. É a homenagem prestada pelo discípulo ao mestre — ao mestre cuja palavra, cujo entusiasmo, cuja ação, servem de modelo, norma e guia ao discípulo. É a homenagem do universitário Manoel da Nóbrega ao universitário Paulo de Tarso, numa sala de aula, dentro de uma Capela. E por isso mesmo sintetizei, neste final de soneto por mim escrito, esse momento glorioso da fundação da Metrópole Nobreguense: E assim Manuel da Nóbrega fundaste, sob o sinal de Cristo e numa Escola, esta São Paulo de Piratininga.” n


Para concluir nossas observações em torno do fundador de São Paulo, o grande Estado que hoje mais lhe divulga as páginas enviadas do Além, pedimos vênia para transcrever as palavras com que o historiador paulista a cuja autoridade recorremos nestes apontamentos, encerra a obra citada: “Padre Manoel da Nóbrega fundara o Colégio do Rio de Janeiro. Dirige-o com o entusiasmo de sempre. A 16 de outubro de 1570, visita amigos e principais moradores. Despede-se de todos, porque está, informa, de partida para a sua Pátria. Os amigos estranham-lhe os gestos. Perguntam-lhe para onde vai. Ele aponta para o Céu. No dia seguinte, já não se levanta. Recebe a Extrema Unção. Na manhã de 18 de outubro de 1570, no próprio dia de seu aniversário, quando completava 53 anos, com 21 anos ininterruptos de serviços ao Brasil, cujos alicerces construiu; morre o fundador de São Paulo. E as últimas palavras de Manoel da Nóbrega são: “Eu vos dou graças, meu Deus, Fortaleza minha, Refúgio meu, que marcastes de antemão este dia para a minha morte, e me destes a perseverança na minha religião até esta hora”. E morreu sem saber que havia sido nomeado, pela segunda vez, Provincial da Companhia de Jesus no Brasil, a terra de sua vida, paixão e morte.”  n


Elias Barbosa


(Extraído da Introdução ao livro “Entrevistas”, Francisco Cândido Xavier/Emmanuel, Ed. IDE) (En)


Para conhecer a relação das obras individuais de Emmanuel vide:  Catálogo das obras xavierianas por autoria espiritual.



[1] Cf. Almerinda Rodrigues de Melo, “Para Conhecer e Amar Jesus”, 2ª edição, 1936, autorizado por D. Duarte Leopoldo e prefaciado por Carolina Ribeiro; e Reynaldo Kunts Busch. “Padre Manoel da Nóbrega, Missionário e Educador”, São Paulo, 1970, pág. 28


[2] Nota do próprio Emmanuel, em seu livro “Há Dois Mil Anos”.


[3] Cf. Emmanuel, “50 Anos Depois”.


[4] Informação do próprio Emmanuel, em vários comunicados através do médium Xavier.


[5] “História da Literatura Brasileira”, Edição Saraiva, 1957, pág. 25, Apud Clóvis Tavares, “Trinta Anos com Chico Xavier”, Edição Calvário, São Paulo, 1967, pág. 209


[6] Apud Tito Lívio Ferreira, “Nóbrega e Anchieta em São Paulo de Piratininga” ( Edição comemorativa do IV Centenário da Morte do Padre Manoel da Nóbrega), Conselho Estadual de Cultura, São Paulo, (prefácio datado de maio de 19701, pág. 43.


[7] Idem, Ibidem, pág. 47.


[8] Tito Lívio Ferreira, Op. cit., pág. 47.


[9] Tito Lívio Ferreira, Op. cit., pág. 102. Além das 49 referências bibliográficas citadas por Tito Lívio Ferreira, às págs. 105-106, ousamos acrescentar as seguintes, para os estudiosos espíritas: Clovis Tavares, “Amor e Sabedoria de Emmanuel”, Edição Calvário, São Paulo, 1970; Reynaldo Kunts Busch, “Padre Manoel da Nóbrega, Missionário e Educador”, São Paulo, 1970.

.

Abrir