Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Sementeira de paz — Mensagens familiares do Prof. Arthur Joviano (Neio Lúcio) e outros


34


Saudação de João de Barro

14/12/1946

1 De minha casa de barro,

Cheia de paz e de amor,

Eu venho saudar convosco,

Nosso antigo benfeitor.


2 Trago os filhotes comigo,

Em trajes de festival,

Compartilhando a alegria

De um natalício imortal.


3 Vimos do abrigo amoroso,

Dos cimos da prateleira,

Entramos pela janela

Num galho de trepadeira.


4 Como esquecer a voz terna

Repassada de carinho,

Que conversava conosco

Na solidão do caminho?


5 Como olvidar a mão clara,

Que tudo faria certo,

Quando vinha docemente

Encorajar-nos de perto?


6 Grande amigo! Muitas vezes,

Deixava o salão dourado

Para buscar-me o lar rude,

Pobrezinho, desprezado.


7 Por que fôssemos humildes,

Trabalhando em terra escura,

Nunca deixou de tratar-nos

Com carinho, com ternura.


8 Pobre operário que eu sou,

Falava-me ao coração,

Ensinava meus filhinhos

A terem educação.


9 Chamado às honras do mundo

E às ambições da riqueza,

Preferiu viver conosco

Na sombra e na singeleza!…


10 Espalhava em nossa casa

As bênçãos e os dons divinos.

Sabia exaltar no mundo

A glória dos pequeninos!


11 Professor, recebe agora

Nossa eterna gratidão!

Que um passarinho também

Tem alma, tem coração!


.Casimiro Cunha



Nota da organizadora: natural de Vassouras | RJ, Casimiro Cunha figura entre os poetas cujos poemas integram o livro Parnaso de Além-túmulo, psicografado por Chico Xavier, desde a primeira edição (FEB, 1932). Para maiores dados biográficos, sugerimos a leitura de Sementeira de luz (VINHA DE LUZ, 3ª ed., 2008) [Constante do livro Depois da travessia (VINHA DE LUZ) Vide também outra homenagem de Casimiro Cunha ao Prof. A. Joviano: Oração a João de Barro]


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir