Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Palavras sublimes — Autores diversos


71


Nossos velhos tempos do Porto

1 Meu caro Ismael, Jesus nos fortaleça. Graças a Deus, encontro você na mesma devoção ao apostolado de aproximação fraternal, guardando, intacto, o nosso velho patrimônio de serenidade e esperança.

2 Felizmente, você tem sabido trabalhar sob a ventania forte. A carantonha da tempestade ainda não conseguiu quebrar-lhe as fibras de lidador, e isso é muito importante.

3 Creia, meu caro, que minhas antigas preocupações, diante da quietude humana, que sempre se compraz na indiferença e na impassibilidade perante as lições divinas que o Espiritismo nos trouxe, foram substituídas por real bom humor. 4 É impressionante observar o volume numérico dos crentes que esperam a solene entrada no Paraíso, vivendo de braços cruzados à maneira do lavrador que sonha com a germinação da semente e aguarda a colheita no descanso voluptuoso do leito macio. 5 Outros alinham algumas preces labiais nos dias da dificuldade em que sentem estorvados em seus caprichos e exigem que Jesus nomeie interventores que lhes decidam, gratuitamente, as questões intrincadas da experiência material que eles próprios estabelecem. 6 Em todas as esquinas, somos surpreendidos por irmãos que atravessam noventa e nove por cento do dia, na movimentação, quase sempre inútil, da fiscalização e da crítica, confessando-se desiludidos com a humanidade e desacoroçoados do mundo, quando, em verdade, até mesmo não se deram ao luxo de algum exame mais particularizado da própria personalidade.

7 Você imagina o que seria de nós se não fosse a alegria do trabalho e a confiança perfeita no êxito final do bem?… Sem a escora permanente desses recursos talvez fugíssemos espantados da Terra, temendo as ousadas afirmativas de criaturas que pretendem as asas dos anjos quando ainda se encontram à imensa distância dos valores reais da humanidade e que reclamam o Céu colados, de pés e mãos, às furnas acolhedoras da Terra.

8 O quadro, contudo, não nos exaure a energia, nem nos desencanta. O Mestre na cruz é uma inspiração incessante. 9 Trabalhar na restauração dos ensinos que nos transmitiu em sublime apostolado de santificação e semear a concórdia e o entendimento, em nome dele, são tarefas claras e simples a que nenhum colaborador de boa vontade deve subtrair-se. 10 Nesse sentido, o Espiritismo e o Esperanto são as duas alavancas com que removeremos os percalços da senda, em favor da vitória insofismável do Evangelho nos corações. Quanto pudermos, incentivemos a extensão da influência dessas forças profundas de renovação e reajustamento. 11 Não nos impressionemos com as negras observações dos adversários da propaganda em sua feição de benefício público e de escola transformadora das condições mentais do Espírito encarnado. 12 Negar-lhe as vantagens seria esquecer a lição da semente que se multiplica indefinidamente, enriquecendo-nos o prato e o celeiro como que ansiosa de revelar-nos a grandeza divina das leis de abundância, de sabedoria e de amor que governam o Universo inteiro. 13 Há companheiros que parecem trazer consigo uma noite diante do sol pleno e estimariam que a treva alcançasse todas as paisagens e todas as coisas. Enxergam aleijões nas flores, monstros no firmamento, veneno nas fontes e infernos na alegria. 14 Para estes, estamos irremediavelmente condenados, entretanto, seguiremos para diante assim mesmo. Um dia compreenderão que, além do túmulo, possuímos até mesmo escolas de alfabetização e atividades primitivistas de ensino e perderão, mais tarde, a ilusão de haverem atingido o Olimpo da inteligência apenas porque fizeram a leitura de alguns clássicos ou por que se hajam sentado em algum banco de universidade. 15 Temamos o cérebro parado, o coração enferrujado e as mãos mortas, e sigamos para a frente, agindo e ajudando sempre.

16 Cuide de sua saúde e avance como quem sabe que o vaso da experiência humana é precioso instrumento de realizações para hoje e amanhã, em plena eternidade. E para encerrar esta carta despretensiosa e alegre, farei uma prece que alinhavarei recordando os nossos velhos tempos do Porton




Prece

1 Senhor, que a nossa humilde mão se estenda
Onde a sombra da Terra se abra em dores.
Que os nossos pés te sigam onde fores,
Levando o amor por mágica oferenda!…


2 Que o nosso coração te escute e atenda
Nos escuros caminhos tentadores,
Nas alegrias e nos amargores
Para amar-te e servir-te sem contenda!


3 Cura-nos, Mestre, o espírito enfermiço
E move a nossa vida ao teu serviço
Em sublime e ditoso cativeiro.


4 Seja o teu braço amigo que aprimora,
O timão que nos guie estrada afora,
Estendendo-te a glória ao mundo inteiro!


Guarde um apertado abraço do seu velho amigo e companheiro de sempre, n


.Abel



Reformador — Agosto de 1950



[1] Consta do original uma nota explicativa referentemente ao “Porto”, que, segundo o articulista era o povoado de Porto de Santo Antônio, atualmente a cidade de Astolfo Dutra, em Minas Gerais. na qual viveu e desencarnou Abel Gomes, autor da mensagem dirigida a Ismael Gomes Braga. Nessa cidade, há a Cabana Espírita Abel Gomes e a Fundação Espírita Abel , um abrigo para criaturas. fundados nos anos 1940.


[2] A psicografia data de 8 de abril de 1950. e foi recebida em sessão íntima, sem referência de local, conforme informado no original de Reformador.


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir