Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

O Espírito de Cornélio Pires — Cornélio Pires — F. C. Xavier / Waldo Vieira / Elias Barbosa


14


A tagarela

1 Nhá Zizita, na Rua do Barreiro,

Já sentia, de muito dar na trela,

Calo de cotovelo na janela

Onde espiava gente o dia inteiro.


2 Calúnia e invencionice era com ela,

Gostava de folia e de berreiro.

O povo comentava, chocarreiro:

— “Jabiraca da língua de sovela!”


3 Nhá Zizita morreu… Desencarnada,

Viu atrás dela enorme trapalhada

E gritava: — “Meu Deus! Meu Deus, me acuda!


4 Deus teve dó de tanto sofrimento

E deu a ela um novo nascimento,

Mas Nhá Zizita, agora, nasceu muda…


5 Lição que toda pessoa

Aprende com muito custo:

Antes de ser generoso

É necessário ser justo.


6 Micróbio! Um bichinho inquieto,

Nas verdades que hoje sei,

Parece agente secreto

Em muito caso de lei.


7 Descrença? Ninguém se importe.

Ateu que vive a dizer

Que a vida acaba na morte

Muito em breve vai saber.


8 Preguiça quando conversa,

Sob o verniz da instrução,

Parece fala de ouro

Em goela de papelão.


Cornélio Pires



[As poesias destacadas com o texto em cor diversa do negro são devidas à psicografia de Francisco Cândido Xavier, e as outras à de Waldo Vieira.]


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir