Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

O Espírito de Cornélio Pires — Cornélio Pires — F. C. Xavier / Waldo Vieira / Elias Barbosa


5


A enxada

1 Com febre alta, o velho Zé da Hora

Limpa a roça no Sítio da Chapada,

Treme, cai… De repente não vê nada,

Tudo escuro no campo, terra a fora.


2 Tanto tempo serviu . Mas Zé agora

Tem a cabeça branca e fatigada;

Morre o sol, vem a noite, e ao pé da enxada,

De mão no peito aflito, reza e chora.


3 Zé larga o corpo e, Espírito liberto,

Pede luz e eis que a luz surge de perto;

Tropeçando, levanta-se… Quer vê-la…


4 Mas cai de novo em pranto de alegria:

A enxada do seu pão de cada dia

Brilhava convertida numa estrela.


5 Inveja em torno? Desculpa.

Todo o despeito de alguém

É quase sempre louvor

Aquilo que não se tem.


6 A luta pior da vida

É aquela de se manter

Uma luta com quem luta

Sem ter nada que perder.


7 Independência real

Tem muito que obedecer.

Quem deseje liberdade

Que se escravize ao dever.


8 Muito herói parece quadro

Composto de traço incerto

Que só pode ser louvado

Se não é visto de perto.


Cornélio Pires



[As poesias destacadas com o texto em cor diversa do negro são devidas à psicografia de Francisco Cândido Xavier, e as outras à de Waldo Vieira.]


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir