Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Maria Dolores — A própria


4


Mensagem de Mais Alto

  1 Ao Espírito Sábio que encontrara

  Nas Alturas Imensas,

  Porque me perguntara

  Se vinha para a Terra,

  Dei a resposta, afirmativamente,

  E indaguei, reverente,

  Se ele algo queria que eu fizesse

  Algum aviso, alguma prece,

  Algum recado salvador…


  2 Mas aquele Celeste Mensageiro

  Fitou, ao longe, as paisagens terrenas

  Abraçou-me, fraterno e disse apenas:


  3 — Se vais de novo ao mundo,

  Dize aos nossos irmãos

  Para unirem as mãos

  No serviço do bem.

  Irmã Dolores, vai! Onde encontres problemas,

  Fala em Jesus e nada temas.

  Onde escutes a voz que amaldiçoa,

  Pronuncia com Cristo a frase que perdoa…

  Dize aos nossos irmãos que o ódio tudo atrasa,

  Quando nos empenhamos à melhora,

  Impondo a nós, em nossa própria casa,

  Em formas diferentes,

  Pela reencarnação,

  Inimigos ousados e doentes,

  Aos quais não desculpamos noutras eras…


  4 Recorda aos companheiros ofendidos

  Que mais vale chorar, com feridas abertas

  Que alardear poder ao pé dos agressores

  Que passam sobre a Terra, esmagando os vencidos

  Nas estradas incertas,

  Se alguém clama que sofre

  Não vaciles dizer

  Que mais vale aguentar e padecer

  Pedrada, provação, calúnia e insulto,

  Qualquer espécie de suplício oculto

  Que condenar alguém,

  Porque a Justiça nasce Mais Além

  E tudo acertará, de segundo a segundo,

  Sem que ninguém precise

  Aumentar no caminho as tristezas do mundo…


  5 Onde encontres o espinho da amargura

  Fala em trabalho, a força da esperança,

  Que olvida o lodo e fita, além, na Altura,

  A presença de Deus no sol que não descansa

  E ampara a qualquer um sem deter-se no mal…

  Vai, Dolores, e dize a toda angústia humana,

  Que a vida, além da morte, brilha soberana,

  Sempre justa e sublime, amorosa e imortal.


  6 Nisso, desci à Terra, entre os amigos,

  A fim de repetir, repleta de alegria,

  Alma irmã, prossigamos, dia a dia,

  Pela fé viva e ardente caminhemos,

  Procurando servir e compreender

  Como simples dever,

  Porque nos Páramos Supremos,

  Alguém nos vê, alguém nos fala e vela,

  Para que a nossa estrada

  Venha a ser cada vez mais brilhante e mais bela,

  E que, um dia, por fim, a nossa própria dor

  Há de se converter em divina alvorada,

  Entre a bênção da Paz e a grandeza do Amor.


.Maria Dolores


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir