Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Cartas do Alto — Autores diversos


36


Reencontro

1 Ouço o choro do lar, no adeus, enquanto fito
O jasmineiro em flor que me acena à janela…
E além, no mais além, a noite clara e bela
Recamando de prata os orbes do Infinito…


2 Pressinto a morte, o fim… Mas, debalde, me excito.
O corpo desatende e, aos poucos, se enregela;
Sofro, no extremo instante, a indômita procela
De anseio, sombra e dor no peito inerme e aflito.


3 Ergo-me. Torno à luz. E encontro, às despedidas,
Antigas afeições que supunha esquecidas…
E pensava, por fim, nem de leve entrevê-las!…


4 O amor transpõe o abismo, a vida se renova.
E parto jubiloso, ao término da prova,
Em busca de outro lar na floresta de estrelas. n


A. Amaral



Reformador — Janeiro de 1968.


[1] Segundo consta do original, o soneto foi recebido em reunião pública da Comunhão Espírita Cristã, na noite de 12/08/1967, em Uberaba, Minas Gerais.


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir