Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Cartilha da Natureza — Casimiro Cunha


22


O aguilhão

  1 Na esteira da confusão,

  Há perigo, o carro empina.

  São golpes de bois madraços

  Em horas de indisciplina.


  2 Avançam, rumo ao barranco,

  Atiram-se à revelia,

  São cegos à estrada enorme

  E surdos à voz do guia.


  3 O carreiro vigilante

  Atende à situação:

  Na canícula dourada

  Vibram golpes de aguilhão.


  4 À custa de esforço ingente,

  A poder de ferroada,

  A ordem volta ao serviço,

  A harmonia volta à estrada.


  5 Há revolta momentânea

  Nos bois rudes, a tremer,

  Mas, a bem da paz de todos,

  Cada qual cumpre o dever.


  6 E o carro prossegue firme,

  Sem desvios, sem parar,

  Buscando os objetivos

  Que, por fim, deve alcançar.


  7 Na Terra, também é assim:

  Nas sendas de redenção,

  Todo homem necessita

  Estímulo à própria ação.


  8 No lar, como no trabalho,

  Desde o berço até a morte,

  A criatura precisa

  Aguilhões de toda sorte.


  9 Muita gente fala deles

  Com desespero e com asco;

  Mas, Jesus santificou-os

  No caminho de Damasco.


  10 Obedece a Deus e passa,

  Vive sempre atento a isto:

  Todo aguilhão que te fere

  É bênção de Jesus-Cristo.


.Casimiro Cunha


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir