Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Bezerra, Chico e você — Bezerra de Menezes


13

Reencontro

1 Em verdade, encontramo-nos na oração, como quem se vê num ponto determinado de ação em que as vossas ansiedades nos interpelam os bons desejos.

2 Como nos seria grata a possibilidade de satisfazer-vos a todos, em vossas requisições afetivas!


3 Mães que buscais os filhos que a morte vos arrebatou ao carinho, 4 pais que esperais por respostas à própria dor as mensagens dos entes queridos que vos antecederam na Vida Maior, 5 esposas que a saudade marca, a fogo de lágrimas, tentando mitigar o próprio sofrimento com as palavras de companheiros trazidos à Espiritualidade quando mais necessitavam viver 6 e amigos que suplicais o verbo de afeições aparentemente desaparecidas na voragem das grandes transformações!

7 Todos estais conosco, todos aguardais…

Entretanto, o ensinamento do Senhor é de vida eterna a concretizar-se em bênçãos de paz e felicidade, através do serviço ao próximo.


8 Relevai-nos se não podemos transgredir as leis vibratórias e os princípios cármicos que nos governam a todos, a fim de satisfazer-vos.

9 Asseguramo-vos, porém, que os nossos afetos nunca se extinguem.

10 Com o tempo e com a bênção do amor uns pelos outros dentro do tempo, todos nos reencontraremos para celebrar a união sem adeus.


11 Aguardemos trabalhando na construção do bem, na certeza de que no bem para os outros, surpreenderemos o nosso próprio bem.


12 As lições de sempre destacam o valor da verdade e da caridade, evidenciando a grandeza do “servir”, acima da luz relativa ao “conhecer”.

13 Todos, indistintamente, possuímos determinada parcela da verdade e nessa parcela do conhecimento superior ser-nos-á possível o insulamento nos pontos de vista que tantas vezes nos têm separado, nas leiras do tempo. 14 Mas, a caridade é aquela força divina que nos desloca de nossas próprias torres individuais para a reunião sublime de uns para com os outros.

15 Detenhamo-nos em semelhante realidade para converter as horas de que dispomos em degraus para a Vida Maior, à busca dos entes que mais amamos.


16 Atravessamos na Terra momentos difíceis, no que tange aos valores espirituais, de vez que as agitações do ambiente humano nos concitam atestes de fraternidade e compreensão, em todos os momentos da vida.

17 Não nos iludamos.

Ontem separastes-vos das pessoas queridas hoje domiciliadas no Mais Além, amanhã sereis vós os companheiros que nos compartilharão as faixas de vida nova.


18 Elevemo-nos pela execução do programa do Cristo a que estamos chamados:

“Amai-vos uns aos outros como, eu vos amei.” ( † )


19 Auxiliemos para sermos auxiliados.

20 Compreendamos para sermos compreendidos.

21 Atendamos aos recursos do coração para socorrer-nos uns aos outros.


22 Pacifiquemo-nos, por dentro, para tranquilizar a vida que se nos estende ao redor dos passos.


23 Se indagardes, ainda hoje, quanto à solução dos problemas que vos afligem a atualidade terrestre, a resposta-síntese ainda é aquela de há quase dois mil anos — “caridade de uns para com os outros”. ( † )

24 Caridade que se vos expresse em respeito e entendimento fraternal no relacionamento de cada dia. 25 Caridade que se torne gentileza diante da agressividade; 26 paciência para com o desequilíbrio; 27 fé viva perante as chamadas desilusões do caminho; 28 otimismo à frente das provas; 29 bênção para com todos aqueles que amaldiçoam; 30 auxílio para com os mais jovens na experiência física, em forma de bondade e compreensão das lutas que porventura carreguem; 31 reconforto em favor de quantos se vejam transitoriamente detidos na madureza avançada do corpo em marcha perante a renovação…


32 Caridade

  dos que sabem, ajudando fraternalmente aos que ignoram;

  dos que usufruem saúde corpórea diante de quantos se vejam corroídos pelos agentes da enfermidade;

  dos mais fortes, sustentando os fracos e indecisos;

  dos que entesouraram esperança em socorro dos que jazem exaustos nos problemas inquietantes da vida;

  dos que podem distribuir, pelo menos, migalhas de auxílio, no amparo aos que se viram encarcerados em abatimento e penúria;

  dos que são apoiados pela realização dos próprios ideais na sustentação dos que choram na angústia;

  de todos os que podem auxiliar, desse ou daquele modo, para construir o Mundo Melhor.


33 Tão somente na caridade — luz divina — a fluir de nós na direção dos outros, conseguiremos melhorar o que somos e o que temos, para sermos o que nos cabe ser e alcançar os valores que desejamos.


34 Recordemos: O Cristo ressurgiu para que ressurjamos, ensinou para que aprendamos, amou-nos, tanto quanto nos ama sempre, para que saibamos realmente amar-nos mutuamente e veio até nós para que nos elevemos até Ele, conduzindo pelo amor os que nos compartilham a existência, na edificação da Terra mais feliz.


.Bezerra


De mensagem recebida em 7.04.1973.


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir