Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

A Vida Escreve — Hilário Silva — 1ª Parte


16

Instantâneo

1 João Marques pregava com fervor. O tema era a tolerância.

A assembleia, enlevada, bebia-lhe o verbo, num deslumbramento de luz.

— “Suportemos os golpes do destino! Suportemos a calúnia e a ingratidão, a dificuldade e a lágrima!…”

O auditório vibrava…

2 Nisso, pequenina bruxa dourada voeja na sala e toca de leve o rosto do orador.

João Marques vacila. Interrompe-se. Num átimo, toma a minúscula borboleta noturna e, visivelmente irritado, esmaga-a com o pé. E prossegue na preleção…


3 Mais tarde, o círculo é reduzido. Apenas alguns companheiros e o médium Macedo.

Batista, o presidente da instituição, agradece as bênçãos da noite. Era o décimo aniversário do templo e o salão estivera cheio.

No clima de júbilo geral, comunica-se Nuno, o orientador desencarnado. Controlando o médium, saúda os amigos.

4 Complacente, otimista, explana, fraterno, sobre os méritos do trabalho. Quando está prestes a despedir-se, João Marques arrisca:

— Meu amigo, julga que me conduzi a contento na palestra?

— Como não? — replica, sorridente, o instrutor.

— Você estava muito bem inspirado, feliz.

— E não tem algum apontamento a dizer?

5 O benfeitor pareceu refletir um minuto e concluiu:

— Marques, já que você faz questão do apontamento, não posso omiti-lo. Você falou sobre a tolerância, brilhantemente. Mas pensemos um pouco. Se não podemos suportar pobre borboleta a nos beijar respeitosamente a testa, como suportaremos as pancadas justas da vida?


.Hilário Silva


(Psicografia de Waldo Vieira)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir