Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Antologia dos Imortais — Autores diversos — 2ª Parte


38

Nestor Vítor


EUTANÁSIA

  1 Ofega o corpo a sós… Oculta, a morte espia… n

  — Invisível chacal na tocaia da presa.

  Na máscara do rosto, a ansiedade retesa

  Aparenta velar a dor do último dia.


  2 Choras ao ver prostrada a criatura indefesa n

  Cujo olhar sem consolo a lágrima embacia,

  E intentas ministrar-lhe a branda anestesia

  Que apresse o longo fim e ajude a Natureza.


  3 Susta, porém, teu gesto! A vida é sábia em tudo!…

  A alma jungida à carne, em pranto amargo e mudo,

  Roga-te, embora gema e fale de outra esfera:


  4 — “Aguardo a mão da Lei, sempre doce e benvinda!

  Dá-me silêncio e paz! Não me expulses ainda!…”

  E, por trás da alma em luta, a Lei exclama: — “Espera!” n


NESTOR VÍTOR dos Santos — Poeta, conteur, romancista, crítico, Nestor Vítor foi também, no dizer de Andrade Muricy (Pan. Mov. Simb. Bras., I, pág. 268), “pensador moralista penetrante”. Vice-diretor, aos 26 anos, do Internato do Ginásio Normal, atual Colégio Pedro II. Colaborou em vários jornais do Rio, entre os quais O Paiz, o Correio da Manhã e O Globo. Patrono, na Academia Paranaense de Letras, da cadeira n° 27, tendo pertencido à extinta Academia de Letras do Paraná. Amigo particular de Cruz e Souza foi N. Vítor o crítico principal do Simbolismo em plagas brasileiras. Brito Broca não vacila em colocá-lo entre os melhores críticos brasileiros. Para Fernando Góes (Pan. IV, pág. 78), “a poesia não foi o forte de Nestor Vítor, antes é a sua parte mais vulnerável”. (Paranaguá, Paraná, 12 de Abril de 1868 — Rio de Janeiro, Gb, 13 de Outubro de 1932.)

BIBLIOGRAFIA: Signos; Transfigurações; etc.



[1] Note-se a aposiopese.

[2] Leia-se cria-tu-ra em três sílabas.

[3] A título de curiosidade, veja-se, do Autor, o soneto “Morte Póstuma”, de Transfigurações, in Pan. IV, pág. 79.


(Psicografia de Waldo Vieira)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir