Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Antologia dos Imortais — Autores diversos — 2ª Parte


35

Ismael Martins


GLORIFICAÇÃO

  1 Se ontem, atribulado, andei sem rumo certo,

  Nômade do ideal, gemendo estrada afora, n

  Hoje, crente, proclamo, ao coração que chora,

  A alegria imortal do espírito liberto…


  2 Renovado, feliz, vou pelo mundo agora,

  Já não mais como fui, amargando o deserto,

  E antevejo o painel do futuro entreaberto,

  Em torrentes de amor a crescer hora a hora… n


  3 Em Jesus encontrei o Mentor dos Mentores,

  A guardar no Evangelho a Cartilha Suprema,

  Libertação do mal, consolação nas dores.


  4 Glorificado seja o Senhor Bem Amado,

  Erguendo a liberdade ao pé de cada algema,

  Pregando a redenção para todo culpado!… n


GLÓRIA DO MUNDO


  1 Suspenso em pleno peito amplo vergel florido,

  Existe qual jardim sem espinho e sem hera…

  Por mais chuva ou mais sol, conserva o colorido, n

  E, embora o frio em torno, esplende em primavera…


  2 Do regato a jorrar não se escuta um gemido…

  Nas brisas de perfume o amor jamais se altera…

  E nesse abrigo santo, em pétalas tecido,

  A doçura vigia em generosa espera…


  3 Remanso de bondade em divino transporte,

  Oásis no deserto a sorrir para a morte,

  Quem consegue exaltar esse ninho fecundo?…


  4 Só Deus !… Só Deus, usando a luz da aurora acesa, n

  Poderá definir a infinita grandeza

  Do coração de mãe como a glória do mundo!…


ISMAEL Alves Pereira MARTINS — Poeta, jornalista e polemista, colaborou nas mais importantes revistas simbolistas do Paraná. Falando sobre o seu único livro de versos, Fernando Góes (Pan. IV, pág. 221) conclui: “Poemas de alguém que teve uma vida de sofrimentos e que giram em torno do amor à família, da morte, da dúvida, da dor. De forma descuidada — Ismael confessa faltar-lhe o “segredo da Forma”, o “mérito da Arte” — esses versos são confissões e às vezes pungentes desabafos.” Pertenceu ao Centro de Letras do Paraná, do qual fora sócio fundador, e é, na Academia Paranaense de Letras, o patrono da cadeira n° 34. (Campo Largo, Paraná, 27 de Julho de 1876 — Curitiba, 7 de Dezembro de 1926.)

BIBLIOGRAFIA: Ciclos, versos; A Mocidade de Hoje, prosa; etc.


Nota. O poeta atribulado de “Vinte e Nove de Julho…”


“Vinte e nove de Julho! Ao lembrar este dia,

Às vezes pergunto a Deus: porque nasci?”

(Apud A. Muricy, Pan. Mov. Simb. Bras., II, pág. 216.)


volta agora no poeta “renovado, feliz”, de “Glorificação”.

É forçoso dizer que, neste soneto, o poeta deixa transparecer a euforia natural daqueles que encontram a resposta às antigas dúvidas que os acicatavam. No caso presente, o autor de Ciclos, depois de fundamentar a “ideia vaga”, expressa nos quartetos do soneto “Eternas perguntas”, na qual admitia já haver vivido em outro mundo, demonstra não mais ignorar aquilo que deixou nos tercetos do soneto a que aludimos:


“De onde vim? Aonde vou? Será verdade

Que a morte não existe? A eternidade

Será o consolo prometido à gente?


O homem que será? Verme inconstante

Ou sublimado ser que a todo instante

Se transforma e revive eternamente?”

(Ap. Rodrigo Júnior e…, Ant. Paranaense, pág. 192.)



[1] Aliteração em d.

[2] Ler com hiato: ho/ra a/ ho/ra.

[3] Note-se a elipse: “Por mais (que haja) chuva ou sol…”

[4] Epizeuxe: “Só Deus!… Só Deus…


(Psicografia de Waldo Vieira)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir