Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Antologia dos Imortais — Autores diversos — 2ª Parte


27

Fábio Montenegro


MUSEU DO UMBRAL

  1 Rojando em tudo a peste aos guinchos aziagos,

  Tragando força e vida em torturas severas,

  Lêmures, avejões, harpias, manes, dragos, n

  Mostram gestos de gana, urram quais loucas feras!…


  2 Trasgos de olhares vis, disformes, feios, gagos,

  Quais monstros em tropéis, ontem foram, deveras,

  Homens que agora são abantesmas e magos,

  Mulheres que hoje são vampiros e megeras!…


  3 Parcas, bruxas, lusbéis, hidras que fazem ágoras; n

  Larvas, serpes, tritões envoltos em mandrágoras;

  Demos que vêm e vão em funestos reclamos!… n


  4 Tais formas e visões, frutos de nossas mentes,

  Morrem sempre igual sombra exposta a sóis ardentes,

  Ao vencermos o mal que nós mesmos criamos!… n


NEM TUDO É SILÊNCIO

  1 Contempla o campo agreste… Eis a tela soturna

  Do imenso chapadão a perder-se de vista…

  Mas se tudo é deserto e tristeza na crista, n

  Sob a terra que dorme, a semente se enfurna.


  2 Da cova pequenina, improvisada urna, n

  Anônima e largada à lama que a contrista,

  A árvore nasce ao sol com beleza imprevista,

  Vencendo a expectação da gleba taciturna…


  3 Ausculta, assim também, a solidão da lousa…

  Nem fala que a revele ou força que a transporte…

  Tudo aparente inércia ao lodo em que se olvida!


  4 Entanto, à plena sombra, em que a cinza repousa,

  Onde se junge o caos à escuridão da morte,

  Emerge, soberana, a excelência da vida… n


FÁBIO MONTENEGRO — Como poeta, colaborou na imprensa santista e paulistana, tendo sido um dos redatores da revista O Verso, escrita toda em versos, inclusive os anúncios. É patrono de uma das cadeiras da Academia Santista de Letras. A seu respeito diz Fernando Góes (Pan. V, pág. 157): “Seus versos traem, a todo instante, a preocupação da forma, que ele próprio confessa, mais de uma vez, desejar seja impecável.” E S. Galeão Coutinho, no seu prefácio a Flâmulas, pág. 12, escreveu: “O verso foi para ele o palácio encantado onde se isolava para entregar-se a orgias maravilhosas de sons e coloridos.” (Santos, Est. de S. Paulo, 28 de Maio de 1891 — Santos, 21 de Agosto de 1920.)

BIBLIOGRAFIA: Jornada Lírica; Flâmulas; etc.


Nota: Não obstante o poeta em algumas de suas composições, tais como “Introspecção” e “A um descrente”, deixe transparecer, pelo menos intuitivamente, ideias reencarnacionistas, pedimos vênia para transcrever-lhe, aqui, o soneto “A Árvore” (apud Pan. V, págs. 157-158), escrito por ele quando se achava no Plano Físico a fim de comprovar que “Nem tudo é silêncio” revela a preocupação do poeta de desfazer a ideia negativa que existe em “A Árvore”:


“Hirta, negra, espectral, chora talvez. Responde

Seu próprio choro à voz do vento que a fustiga,

Ela que ao sol floriu, floriu às chuvas, onde

A paz é santa, o campo é doce, a noite é amiga…


Essa que esconde a chaga, essa que a história esconde,

Que conhece a bonança e a borrasca inimiga,

Já foi flor, foi semente, e, sendo arbusto, a fronde

Ergueu para a amplidão às aves e à cantiga.


Que infinita tristeza o fim da vida encerra

A quem já pompeou do Sol na própria luz.

As flores para o céu e a sombra para a terra!


Foi semente, brotou… Árvore transformada,

Sorriu em cada flor; e hoje, de galhos nus,

Velha, aguarda a tortura estúpida do nada!”



[1] Enumeração.

[2] Cf. nota anterior.

[3] Demo: “Demônio; pessoa turbulenta ou astuciosa”. Obs.: Tomem-se as palavras demônio, Lúcifer e outras que tais com o significado de Espíritos, nossos irmãos, que permanecem temporariamente nos círculos da ignorância, Espíritos esses, no entanto, que, um dia, se voltarão para o Eterno Bem.

[4] Dos diversos aedos que nos trouxeram notificas do Umbral, nesta Antologia nenhum talvez tenha alcançado tanto realismo nas descrições quanto F. Montenegro, nestes perfeitos alexandrinos. E o mais importante é que, depois de fazer um inventário completo de todo o museu, fecha o soneto com chave de ouro, afirmando que “Tais formas e visões, frutos de nossas mentes,/ Morrem sempre igual sombra exposta a sóis ardentes,/ Ao vencermos o mal que nós mesmos criamos!…”

[5] Aliteração em t.

[6] Leia-se com hiato: “…improvisada/ ur/na.”


(Psicografia de Waldo Vieira)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir