Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Antologia dos Imortais — Autores diversos — 2ª Parte


18

Luís Delfino


HOSPITAL

  1 Hospital! Praia viva dos efeitos,

  És o foro das causas esquecidas,

  Reduto generoso de mil vidas,

  No espinheiral dos trilhos imperfeitos.


  2 Incompreendida dor! Benditos leitos!

  Ninho-prisão de loucos e suicidas

  Dantes livres nas largas avenidas

  Do egoísmo e do orgulho, vis e estreitos.


  3 Em teu regaço, as lágrimas são hinos…

  Alguém te vela o clima, atento e mudo:

  O médico no leme dos destinos…


  4 Dá-nos, templo da angústia transitória,

  O florão da humildade por escudo,

  O laurel do trabalho por vitória!… n


LUÍS DELFINO dos Santos — Médico, L. Delfino soube, desde cedo, servir-se dos pequenos lazeres da clínica para escrever os magistrais sonetos da sua obra imponente, na qual conseguiu refletir “os três movimentos poéticos do século: o romantismo, o parnasianismo e o simbolismo”. Seu filho, Tomás Delfino, já desencarnado, coligiu em vários livros a obra imensa de LD, deixada esparsa em jornais e revistas. “Era um poeta abundante,” — confirma-o Manuel Bandeira — “e tanto podia espraiar-se longamente em lirismos condoreiros, como sabia limitar-se lapidarmente num soneto.” (Apud LD, Arcos de Triunfo, pág. 29). (Florianópolis, Santa Catarina, 25 de Agosto de 1834 — Rio de Janeiro, Gb, 31 de Janeiro de 1910.)

BIBLIOGRAFIA: Algas e Musgos; Poemas; Poesias Líricas; etc.



[1] Admirável soneto, digno de um médico-poeta.


(Psicografia de Waldo Vieira)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir