Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Antologia dos Imortais — Autores diversos — 2ª Parte


10

Luís Guimarães Júnior


PASTORAL

  1 Acompanho a canção que a vida tece…

  Chovem raios de sol doirando o espaço…

  Verte o rio fugindo, passo a passo,

  Do monte em cujos pés o lírio cresce…


  2 Um trilo doce ecoa igual à prece…

  Dorme a rosa em botão… Canta o sanhaço…

  A flor que não se rende ao vento escasso,

  Calma, espera na leira a farta messe…


  3 À luz do firmamento azul e escampo,

  Abrem-se mamonais sorrindo ao campo,

  E a brisa, leve e morna, escala a serra…


  4 Meu coração soluça, sonha ainda,

  E escuta as queixas da saudade infinda,

  Quando volito além, fitando a Terra… n


MATINADA

  1 Ampla luz se desnastra, onda por onda,

  Desponta a madrugada purpurina…

  O carreiro das lágrimas termina,

  Minha alma acorda, anseia, indaga, sonda…


  2 Subo, encantado e pasmo… A etérea ronda

  Das estrelas, na abóbada divina,

  Lembra flores, em monte, na campina

  Que o Eterno Lavrador cultiva e esmonda…


  3 A saudade aparece… O peito chora…

  Gaturamo rompendo os véus da aurora,

  Onde encontrar meu ninho nesses ramos?


  4 Torno à Terra, em soluços de alegria!…

  Bendito seja Deus que nos confia

  O amor por céu na luz do lar que amamos!


LUÍS Caetano Pereira GUIMARÃES JÚNIOR — Poeta, jornalista, contista, comediógrafo, formou-se em Direito pela Faculdade do Recife, em 1869, depois de iniciar os estudos na Faculdade de S. Paulo, seguindo a carreira diplomática. Foi adido à legação brasileira no Chile, em Londres e em Roma, além de haver exercido as funções de secretário de legação em Lisboa. Aposentou-se no cargo de ministro plenipotenciário, na Venezuela. Sócio de várias Associações culturais do Brasil e do estrangeiro, foi fundador da cadeira n° 31 na Academia Brasileira de Letras. Ronald de Carvalho (Peq. Hist. Lit. Brasileira, págs. 287-288), ao estudar a poesia de Luís Guimarães Júnior, acentuou que “as notas descritivas predominam, geralmente, sobre as subjetivas, o artista sobreleva ao poeta, e o pintor se avantaja ao filósofo”, acrescentando, adiante: “Há nos seus painéis um laivo de ternura discreta, um sentimento de melancolia muito particular.” Prefaciando-lhe Sonetos e Rimas, Fialho de Almeida chamou-lhe “o Massenet do soneto” (apud Iracema G. Vilela, Luiz Guimarães Júnior, pág. 110). (Rio de Janeiro, Gb, 17 de Fevereiro de 1845 — Lisboa, 19 de Maio de 1898 *.) — (*) Veja-se O Ocidente, Revista Ilustrada de Portugal e do Estrangeiro, Lisboa, 30 de Maio de 1898, pág. 128.

BIBLIOGRAFIA: Corimbos; Sonetos e Rimas; Poema dos Mortos; Filigranas; etc.


Nota ao soneto Pastoral: Neste soneto primoroso, o Autor se identifica perfeitamente, não apenas pela forma, em tudo semelhante ao que produziu quando encarnado, mas sobretudo pelo fundo. Vejamos alguns versos de uns poucos sonetos do artista de Corimbos. Comecemos pelo “Noite Tropical” (apud Pan. III, pág. 24):


“Dorme a fazenda: — apenas hesitante

A voz do cão, em uivos assustados,

Corta o silêncio, e vai nos descampados

Perder-se como um grito agonizante.” (2º quarteto.)


Em “Madrugada na Roça” (id., pág. 25), é interessante o 1º quarteto:


“Dentro da sombra matinal os campos

Riem-se ao fresco pranto da alvorada,

Sobre a planície verde e rociada

Voa o bando dos tardos pirilampos.”


Cf., ainda, “Paisagem” (id., pág. 26) e observemos o ritmo dos versos quase que sublimes.

Por fim, em “Idade Média”, vejamos o último terceto:


“— Penso que um dia nos azuis espaços,

Livre afinal do mundo e dos teus braços,

Minha alma voará como a andorinha.”


Atentemos, ainda, no esquema rimático usado: abba para os quartetos (o preferido pelo poeta, inclusive em “Visita à Casa Paterna”, “Noite de São João”, “Soneto Romântico”, “Veneza” e outros sonetos) e para os tercetos o mesmo de “Veneza”, “Idade Média”, “A Borralheira”, etc. As rimas auditivas (tece c/ cresce, espaço c/ passo, prece c/ messe, sanhaço c/ escasso) não eram estranhas ao autor, que soube tão bem servir-se de rimas até imperfeitas, como por exemplo: bela c/ compreendê-la, “resvela” por resvala, em “Noite de São João”, dela c/ estrela e bela, em “Madrugada na Roça”, secreto c/ soneto, em “A Borralheira”.

Sobre o verbo volitar, cf. 3ª nota do cap. 7 da 1ª parte.


(Psicografia de Waldo Vieira)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir