Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Antologia dos Imortais — Autores diversos — 2ª Parte


6

Antero de Quental


A LÂMPADA E A CHAMA

  1 A alma clamou cansada ao corpo, um dia:

  — “Porque me prendes, barro vil e escuro?

  Quem te sustenta por lodoso muro,

  Acalentando a noite que me espia?


  2 Quem te mandou, algema da agonia,

  Escravizar-me o sonho vivo e puro?

  Quem te criou, cadeia de monturo,

  Excitando-me a dor e a rebeldia?”


  3 E o corpo respondeu, calmo e sublime:

  — “Eu sou, na Terra, a cruz que te redime,

  Não me interpretes por sinistra grade…


  4 Deus modelou-me lâmpada de lodo, n

  Na qual és chama do Divino Todo

  Para fulgir além, na Eternidade…” n


ANTERO Tarquínio DE QUENTAL — Grande poeta português, A. de Quental teve especial predileção pelo soneto. Segundo Eça de Queirós, era ele “um Gênio e era um Santo”. “É um poeta que sente,” — di-lo Oliveira Martins — “mas é um raciocínio que pensa. Pensa o que sente; sente o que pensa.” E Adolfo Casais Monteiro acrescenta: “e vive o que sente e pensa.” Vítima de terrível hipocondria, suicidou-se. Sobre a vida de Antero, publicou-se em 1948 uma das mais completas obras: Antero de Quental, subsídios para a sua biografia, por José Bruno Carreiro, em dois grandes volumes, edição do Instituto Cultural de Ponta-Delgada, Lisboa. (Ponta Delgada, Ilha de S. Miguel, arquipélago dos Açores, 18 de Abril de 1842 — Aí desencarnou em 11 de Setembro de 1891.)

BIBLIOGRAFIA: Sonetos de Antero; Odes Modernas; Primaveras Românticas; Os Sonetos Completos de Antero de Quental; etc.


Nota: Para que possamos observar o seu modo peculiar de compor sonetos — servindo-se do diálogo —, vamos transcrever-lhe os dois tercetos do famosíssimo “Solemnia Verba” (apud Rot. I, pág. 221):


“Porém o coração, feito valente

Na escola da tortura repetida,

E no uso do penar tornado crente,


Respondeu: Desta altura vejo o Amor!

Viver não foi em vão, se é isto a vida,

Nem foi de mais o desengano e a dor.”



[1] Aliteração em l.


(Psicografia de Waldo Vieira)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir