Bíblia do Caminho Antigo Testamento

Job    † 

(Vulgatæ Editionis)

CAPÍTULO 13   † 

(Versículos e sumário)

13 eis aqui todas estas coisas viu o meu olho, e ouviu o meu ouvido, e as compreendi todas.

2 Isso que vós sabeis, também eu o alcanço; e não vos sou inferior.

3 Com tudo isso falarei ao Todo-Poderoso e com Deus desejo conversar;

4 Fazendo antes ver que vós sois uns forjadores de mentiras, fautores de perversos dogmas.

5 E oxalá que vós vos calásseis, para poderdes passar por sábios.

6 Ouvi pois a minha correção, a atendei ao juízo dos meus lábios.

7 Acaso necessita Deus das vossas mentiras, para que em sua defensa faleis dolosamente?

8 Porventura olhais para o seu rosto, e vos esforçais a sentenciar a favor de Deus?

9 Ou será isto do agrado daquele, a quem nada se pode ocultar? Ou será Ele surpreendido como um homem, com os vossos enganos?

10 Ele mesmo vos condenará, porque dissimuladamente olhais para o seu rosto.

11 Logo que se mover, vos perturbará, e o seu terror cairá sobre vós.

12 A vossa memória será semelhante à cinza, e as vossas cabeças reduzir-se-ão como a lodo.

13 Calai-vos por um pouco, para que eu vos diga tudo o que o meu espírito me sugerir.

14 Por que razão despedaço eu as minhas carnes com os meus dentes, e por que trago eu a minha vida nas minhas mãos?

15 Ainda quando Ele me matasse, nele esperarei; mas acusarei na sua presença os meus caminhos.

16 E Ele mesmo será o meu salvador; por que nenhum hipócrita ousará aparecer diante dos seus olhos.

17 Ouvi as minhas palavras, e dai ouvidos aos meus enigmas.

18 Se eu for julgado, sei que hei de ser achado justo.

19 Quem há que queira ser julgado comigo? Venha; por que calando me consumo?

20 Duas coisas ao menos não obres comigo, e então não me esconderei da tua face;

21 Desvia a tua mão longe de mim, e não me consterne o teu terror.

22 Chama por mim, e eu te responderei; ou bem eu falarei, e tu responde-me.

23 Quantas iniquidades e pecados tenho eu, mostra-me as minhas maldades e delitos.

24 Por que escondes tu de mim o teu rosto, e por que me julgas tu teu inimigo?

25 Contra uma folha, que é arrebatada do vento, ostentas o teu poder, e persegues a uma palha seca;

26 Pois escreves contra mim amarguras, e queres-me consumir pelos pecados da minha mocidade.

27 Tu puseste os meus pés em um cepo, e observaste todas as minhas veredas, e consideraste os vestígios de meus pés.

28 E que como a podridão hei-de ser consumido, e como vestido que é comido da traça.



Há imagens desse capítulo, visualizadas através do Google - Pesquisa de livros, nas seguintes bíblias: Padre Antonio Pereira de Figueiredo edição de 1828 | Padre João Ferreira A. d’Almeida, edição de 1850 | A bíblia em francês de Isaac-Louis Le Maistre de Sacy, da qual se serviu Allan Kardec na Codificação. Veja também: A versão Corrigida e revisada, fiel de Almeida; A Hebrew - English Bible — JPS 1917 Edition; La Bible bilingue Hébreu - Français — “Bible du Rabbinat”, selon le texte original de 1899; Parallel Hebrew Old Testament by John Hurt


.

Abrir